OXIGENOTERAPIA


OXIGENOTERAPIA

É o uso de oxigênio para fins terapêuticos.com objetivos de prevenir ou tratar as manifestações clínicas da hipóxia e/ou hipoxemia, devendo-se monitorizar a SaO2, através da oximetria, e gasometria.

Indicações:
  • Adultos, crianças e lactentes com mais de 28 dias de idade para corrigir hipoxemia: Hipoxemia (adultos, criança e lactentes ) PaO2 < 60 mmHg ou SaO2 < 90 % em ar ambiente (neonatos ) PaO2 < 50 mmHg ou SaO2 < 50 % em ar ambiente;
  • Traumatismos severos, infarto agudo do miocárdio, angina instável, recuperação pós-anestésica de procedimentos cirúrgicos e insuficiência respiratória crônica agudizada.
Principais causas de hipoxemia de origem respiratória:
  • Alteração V/Q
  • Hipoventilação alveolar ( alterações de SNC, neuromusculares )
  • Distúrbios de difusão
  • Shunt ( mistura de sangue oxigenado com não-oxigenado)
Principais causas de hipoxemia de origem não-respiratória:
  • Diminuição da PaO2;
  • Dipovolemia;
  • Queda ou alteração química da hemoglobina.
Contra-indicações: 

      • Não existem, na literatura, contra-indicações da oxigenioterapia.

Equipamentos (baixo fluxo, com reservatório e alto fluxo):

Sistema de baixo fluxo
  • Cânula nasal: dispositivo plástico descartável, composto por 2 pontas (1 cm de comprimento), conectados a um tubo longo e pequeno calibre para o suprimento de oxigênio. Ligado diretamente ao fluxômetro ou a um umidificador de bolhas. Mesmo com umidade extra, fluxos superiores a 4 L / min provocam ressecamento e sangramento nasal. É indicada para pacientes estáveis que necessitam de pequenas concentrações de oxigênio e na terapia domiciliar prolongada
  • Cateter nasal: composto por um tubo plástico macio com pequenos orifícios em sua extremidade. È introduzido na cavidade nasal, gradativamente, até ser visualizado atrás da úvula. ( profundidade igual à distância entre o nariz e o lóbulo da orelha ). Depois de introduzido, é fixado na ponta do nariz. O posicionamento, estimula a produção de secreção ( substituição a cada 8 horas ). É indicada para pacientes que serão submetidos a procedimentos em que a cânula dificulta o acesso traqueal e como terapia prolongada para lactentes.
Sistema de alto fluxo:

  • Sempre excede o do paciente, fornecendo uma concentração fixa de oxigênio;
  • Funcionam com fluxo acima de 60 L / min;
  • Misturam o O2 e o ar ambiente através de sistema de arrastamento ou misturadores.
  • Arrastamento (máscara de Venturi): conduzem uma fonte de O2 em alta pressão através de um jato por um orifício de entrada. Quanto maior o orifício e o jato de entrada, maiores serão as concentrações de O2. O corpo da máscara possui um orifício de saída para o ar expirado. A concentração de O2 é obtida através da troca de peças de entrada de jato de O2. É indicado para pacientes que necessitam de baixas concentrações, porém precisas;
  • Misturador de ar : permite a entrada separada de fonte de ar comprimido e de O2 que se misturam manualmente ou utilizando uma válvula de precisão, permitindo o controle exato da concentração desejada. A mistura manual é feita pelo ajuste do fluxômetro de ar comprimido e de O2 separados.

Sistema com reservatório:
  • Excede o do paciente, armazenando um volume de oxigênio que igual ou superior ao VC do paciente;
  • Sistema em que o oxigênio é armazenado em um reservatório que incorpora o dispositivo, que é liberado durante as inspirações;
  • Oferece concentrações de O2 maiores, com utilização de fluxos menores do que o sistema de baixo fluxo.
Máscara com reservatório: é plástica, descartável e cobre a boca e o nariz. O corpo da máscara armazena o O2 entre as inspirações do paciente. A expiração se dá através de orifícios contidos na lateral do corpo da máscara. É indicada em emergências e terapia de curto prazo que requerem concentrações de O2 moderadas ou elevadas. As máscaras de reinalação parcial ( possui uma válvula que permite que o oxigênio flua para o interior da máscara durante a inspiração e, durante a expiração, seja direcionado para o reservatório juntamente com o CO2 expirado, que escapa a medida que o reservatório é preenchido com oxigênio ) e de não-reinalação ( impede a reinalação através de uma válvula unidirecional na expiração ) possuem uma bolsa reservatória flexível de 1 L que pode produzir concentrações elevadas de O2. 

Precauções e complicações:
  • Pacientes com hipercapnia crônica podem apresentar depressão ventilatória quando recebem concentrações altas de O2;
  • Pode ser tóxico e deprimir a função mucociliar e leucocitária;
  • Retinopatia em prematuros quando em administração de O2 que eleva a PaO2 acima de 80 mmHg;
  • Contaminação bacteriana ( sistema de nebulização e umidificação ): devem ser trocados a cada 48 ou 72 horas.

Por: Raylana Nascimento - Fisioterapeuta.

Postar um comentário

Copyright © OLHAR FISIO. Designed by OddThemes