ENTORSE DO TORNOZELO


O tornozelo é uma estrutura formada pela união de 3 ossos: tíbia, fíbula e tálus. é formado por três articulações: 
  • Articulação Talocrural - formado pela extremidade inferior da tíbia e fíbula com o dorso do tálus; 
  • Articulação Subtalar - entre o tálus e calcâneo; 
  • Articulação tibiofibular - formada pela extremidade inferior da tíbia e da fíbula.
Essa articulação é responsável por realizar os movimentos de flexão plantar, dorsiflexão, eversão e inversão. Sua estabilização se dá através dos ligamentos. Lateralmente são 03 ligamentos (talofibular anterior, fíbulo-calcâneo e talofibular posterior) e medialmente por outro ligamento, bastante forte e espesso, que é o deltóide.

MECANISMO DE LESÃO 

O entorse do tornozelo pode ocorrer durante uma simples caminhada, corrida ou ao saltar. Também é a lesão ligamentar mais comum em esportistas. As lesões do tornozelo são causadas por uma súbita aplicação de força que aumente a resistência dos ligamentos, rodando o pé em inversão ou eversão. 

Após o trauma os ligamentos do tornozelo são estirados ou, dependendo do grau da lesão, rompidos, o tipo mais comum de entorse no tornozelo é provocado por uma sobrecarga em inversão e pode resultar em ruptura parcial ou total do ligamento talofibular anterior, provocando uma sobrecarga no tornozelo, tornando-o instável. Raramente componentes do ligamento deltóide são sobrecarregados, existe uma maior probabilidade de avulsão ou fratura do maléolo medial com uma sobrecarga em eversão.

As lesões podem ser classificadas em 3 graus: Grau I - ligamento preservado, com processo álgico ligamentar e derrame articular. Grau II - frouxidão ligamentar, dor intensa, edema difuso e hematoma. Grau III - ruptura ligamentar parcial ou total, provável fratura por avulsão, dor intensa, instabilidade, edema difuso e hematoma.

DIAGNÓSTICO

Ao exame físico refere dor a palpação, sendo importante fazê-la para verificar os pontos e extensão da lesão. Realização de testes ortopédicos para observar instabilidades ligamentares e exame radiológico para verificação de possíveis fissuras e até mesmo fraturas.

OBJETIVOS DO TRATAMENTO

  • Diminuir processo álgico e edema;
  • Restaurar a amplitude de movimento; 
  • Estabilização da articulação;
  • Melhorar o equilíbrio e coordenação (propriocepção);
  • Fortalecer os músculos do tornozelo;
  • Retorno as atividades de vida diária e/ou esportivas.
TRATAMENTO

  • Grau I - Crioterapia + compressão + elevação (PRICE) ; cinesioterapia com alongamento e fortalecimento muscular + propriocepção;
  • Grau II – necessidade de imobilização (3 a 4 semanas). Após, crioterapia + eletrotermoterapia + Bandagem elástica + alongamento e fortalecimento muscular + propriocepção;
  • Grau III – cirúrgico (maior possibilidade de existir lesões associadas, devido ao longo período de imobilização).
Lembramos que a conduta do tratamento pode variar de paciente para paciente, pois cada um apresenta características próprias e que as informações apresentadas são de caráter informativo.

Por: Raylana Nascimento - Fisioterapeuta.

Postar um comentário

Copyright © OLHAR FISIO. Designed by OddThemes