VARIZES E A FISIOTERAPIA



O que são:

São veias dilatadas, com volumes aumentados, tornando-se tortuosas e alongadas com o decorrer do tempo. Dependendo da fase em que se encontram, podem ser de pequeno, médio ou grande calibre. Geralmente apresentam-se nos membros inferiores, ou seja, pés, pernas e coxas, sendo sua maior incidência no sexo feminino.

Como se desenvolve:

Fatores hereditários, fatores hormonais (as veias dilatadas tendem a aumentar durante a gravidez, podendo regredir total ou parcialmente com o parto), idade, tabagismo, obesidade, falta de movimento (ficar muito tempo sentado ou em pé parado é muito ruim para o “bombeamento” do sangue nas veias) e o calor (a exposição ao calor por tempo prolongado pode vir a provocar uma dilatação das veias.

Quais são os sintomas

Alguns dos sintomas ou sinas mais freqüentes são:

Câimbras, Inchaço, principalmente nos tornozelos ao final do dia, queimação nas pernas e planta dos pés; presença de veias azuladas e muito visíveis;, coceira ou prurido, agrupamentos de finos vasos avermelhados, sensação de peso e cansaço ou sensação de dormência nas pernas.

Como se faz o diagnóstico:

O diagnóstico de varizes é relativamente fácil na medida em que pode ser feito pela simples inspeção visual.
O exame utilizado para avaliação de refluxo venoso, e como auxiliar do tratamento cirúrgico, é a ultra-sonografia venosa realizada com o Doppler Venoso. O Doppler pode também auxiliar na busca de tromboses venosas e de alterações no fluxo do sangue venoso.

Quais são as complicações das varizes:

Quando não tratadas de forma correta as varizes podem progredir e desenvolver severas complicações. Entre elas podemos citar:

Eczema – geralmente se inicia com prurido (coceira). Dermatite. Flebite e trombose – flebite significa inflamação da veia. Varicoflebite consiste na inflamação das varizes. Esta inflamação pode vir acompanhada da formação de trombo decorrente do sangue que coagula. Esta trombose superficial pode progredir para as veias profundas e aumentar o risco de embolia pulmonar. Pigmentação e escurecimento da pele. Hemorragias – a pele e a parede das varizes muitas vezes ficam tão finas que facilmente se rompem. Quando isto acontece pode ocorrer uma importante perda de sangue. Este episódio é chamado de varicorragia (hemorragia proveniente de varizes). Úlceras – a complicação mais temida pela população é a formação de feridas nas pernas denominadas úlceras. No inicio cicatrizam com certa facilidade mas, com o tempo e se tratadas de forma indevida, vão se tornando mais complexas. Como existem vários tipos de úlceras nas pernas, é importante o acompanhamento de um especialista.

Caso isto ocorra, procure deitar, elevar a perna e colocar bandagens compressivas sobre o local. Feito isto, procure imediatamente o seu médico.

Qual é a importância das Veias Safenas:

É a veia superficial mais longa do nosso corpo, indo desde a parte interna do tornozelo até a virilha. Pelas suas características a veia safena é muito utilizada para substituir artérias entupidas em varias regiões do nosso corpo, principalmente as artérias coronárias (coração) e artérias da própria perna. É por este motivo que algumas pessoas pensam que a safena é uma veia do coração. Por esta razão a safena tornou-se uma veia muito importante e só deverá ser retirada se estiver muito doente e não servir para a confecção de pontes também chamadas de bypass. Muitas cirurgias de varizes podem ser realizadas sem retirar as safenas, desde que não estejam muito comprometidas com a doença varicosa.Existe outra veia safena menor, chamada de Safena Externa, e que se localiza na parte de trás da perna, mas precisamente sobre a panturrilha.

Como se previne:

Evitar ganhos exagerados de peso, dieta rica em fibras para evitar a constipação intestinal, procurar não permanecer muito tempo parado em pé ou sentado. Não usar cintas abdominais apertadas, realizar caminhadas ou exercícios físicos com supervisão médica, não fumar, utilizar sistematicamente meias elásticas, principalmente durante a gravidez, evitar hormônios anticoncepcionais, consultar regularmente seu angiologista / cirurgião vascular.

Fonte: Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular – Regional Bahia – www.sbacvba.com.br

Fisioterapia para Varizes

A insuficiência venosa crônica (IVC) dos membros inferiores é uma das enfermidades crônicas de maior incidência na população humana. As varizes são apenas um dos aspectos da doença venosa, que também podem se apresentar de formas mais graves, como, por exemplo, úlceras.

Segundo as fisioterapeutas Ana e Marisa Quadros, é importante lembrar que, embora muitos avanços tenham ocorrido na Medicina, a doença venosa tem sido negligenciada em sua importância, provavelmente por sua forte relação inicial com a estética. As profissionais afirmam que, atualmente, é considerado também um problema funcional e não só estético.

Nos últimos anos, o governo brasileiro passou a considerar a importância socioeconômica da doença. Vários fatores de risco têm sido associados ao desenvolvimento da insuficiência venosa, como idade, sexo, estilo de vida, ocupação, obesidade, dieta, uso de hormônios, gravidez, histórico familiar e muitos outros. As manifestações clínicas da IVC variam desde a ausência de sintomas até queixas importantes, como limitação das atividades diárias, lazer e trabalho. As queixas mais frequentes são dor, sensação de peso e cansaço.

Conforme as fisioterapeutas, algumas técnicas da Fisioterapia têm como objetivo promover uma drenagem venosa e estimular o movimento (como a cinesioterapia). “A drenagem deve ser realizada por profissional habilitado, que conheça a anatomia do sistema linfático, com ritmo suave e respeitando os fluxos sanguíneos e linfáticos, porque se a pressão exercida na pele for exagerada e não respeitar a anatomia do sistema linfático pode estourar vasos e válvulas, causando hematomas e/ou edemas”, destaca Marisa.

A drenagem linfática ajuda no escoamento do excesso de líquidos, toxinas e gorduras presentes na linfa que podem evoluir para edemas crônicos e varizes. “Portanto, a drenagem pode ser usada para a prevenção e tratamento de varizes, mas deve ser muito bem indicada, pois é contraindicada nos casos de trombose venosa profunda. A cinesioterapia (terapia do movimento) serve para melhorar a articulação do tornozelo, pé e a bomba muscular, fazendo com que diminua a atrofia muscular e a rigidez que pode surgir com a piora da IVC e, assim, diminuir o aparecimento de úlcera varicosa”, salienta Ana. 

As fisioterapeutas sustentam que a melhor prevenção é fazer exercícios físicos, pois os músculos das pernas se contraem (músculos “panturrilha”) e são ativados alguns mecanismos que favorecem a volta do sangue ao coração. “Esse também é um dos motivos da predominância de varizes nas mulheres que, de forma geral, apresentam menor massa muscular que os homens”, conta a fisioterapeuta Marisa.

A ginástica, desde que recomendada por um médico e acompanhada por professores de Educação Física, não só evita o aparecimento das varizes, como ajuda a preveni-las, principalmente se for uma atividade aeróbica.

Para quem trabalha muito tempo sentado, o ideal é utilizar aquelas plataformas para fazer o movimento com os pés para trabalhar a panturrilha. Levantar da cadeira de tempos em tempos, andar um pouco e reservar pequenos intervalos para elevar as pernas também é aconselhável. “O movimento das pernas é muito importante para bombear o sangue das veias. Portanto, ficar muito tempo sentado ou em pé, parado, é ruim para o trabalho das veias. Algumas empresas já contam com a ginástica laboral (exercícios realizados por um fisioterapeuta ou educador físico durante períodos no trabalho), que previnem também outras doenças ocupacionais”, ressalta Ana.

Outras dicas são: não submeter o corpo à exposição prolongada de temperaturas elevadas, situações de estresse, utilizar roupas confortáveis, evitar cintas abdominais apertadas e corrigir problemas ortopédicos.

Ana e Marisa afirmam que há outros métodos, como as meias de compressão, que devem ter indicação de um especialista, pois a utilização de forma incorreta pode ser prejudicial. “É necessário conhecer o momento adequado de iniciar seu uso, bem como o tipo indicado (tamanho e compressão) para cada caso. As meias ajudam a diminuir o inchaço nas pernas, principalmente em pessoas que passam muito tempo de pé ou sentadas. De qualquer forma, o momento ideal para vesti-las é imediatamente após repouso com elevação das pernas”, informa a fisioterapeuta Ana. 

Assim, os exercícios que combatem o sedentarismo são muito importantes para a circulação de todo o corpo e podem ser excelentes aliados, trazendo benefícios para quem tem predisposição a varizes. “Caminhando, pedalando, fazendo exercícios dentro da água (hidroginástica, natação, Pilates que têm baixo impacto), entre outras atividades, podem auxiliar no retorno do sangue venoso evitando-se, assim, os problemas circulatórios”, garante Marisa.

Para finalizar, consideramos fundamentais as visitas periódicas ao médico vascular para avaliar e prevenir o aparecimento das varizes (caso seja suscetível por fatores familiares ou ocupacionais) e tratar se for o caso.

Via: www.jornalfolhadosul.com.br

Um comentário :

Copyright © OLHAR FISIO. Designed by OddThemes