Arritmia cardíaca: doença comum, fácil tratamento


Algumas situações podem acelerar ou desacelerar o coração
O coração bate entre 60 e 100 vezes por minuto. Algumas situações, como febre e nervosismo, podem acelerar o batimento cardíaco, outras, como sono, podem torná-lo mais lento. “Porém, quando ocorre uma alteração brusca na frequência cardíaca, em geral, acompanhada de mal-estar, tontura e até desmaio, pode ser sintoma da doença Arritmia Cardíaca”, alerta o Dr. Ângelo de Paola, presidente do XXV Congresso da SOCESP.
Frequentemente, esta doença está relacionada a outras, como infarto, problemas nas válvulas cardíacas, doença de Chagas e doença da tireoide. Alguns podem nascer com uma alteração elétrica no coração e, ao longo da vida, apresentar alteração no ritmo cardíaco. Mas, também existem as pessoas assintomáticas, ou seja, sem sintomas aparentes, que podem desenvolver a Arritmia Cardíaca.
A recomendação é procurar um médico sempre que o coração disparar, sem causa aparente. O primeiro passo é fazer um diagnóstico preciso da doença, que pode ser confundida com outros problemas, como infarto e doenças neurológicas. O Holter 24 horas é uma alternativa de diagnóstico. A pessoa passa o dia usando um aparelho que registra os batimentos cardíacos, permitindo que o médico veja quando e porque o coração disparou.
Em 30% dos casos, a Arritmia Cardíaca é benigna e não precisa ser tratada. Mas, se precisar de correção, o Brasil conta com várias alternativas. Uma delas é a ablação com radiofrequência, que alcança 90% de sucesso: em um laboratório de eletrofisiologia, é colocado um cateter no coração e um foco de radiofrequência corrige a arritmia.
Outra alternativa é o Cardioversor, que permite que o próprio paciente acompanhe o ritmo cardíaco e aplique um choque sempre que este ficar alterado. Há ainda o marca-passo que regulariza a frequência cardíaca. Existem medicamentos também, porém, em geral, não curam a doença.
Via: http://www.socesp.org.br/blogdocoracao/2011/10/31/arritmia-cardiaca-doenca-comum-facil-tratamento/

Postar um comentário

Copyright © OLHAR FISIO. Designed by OddThemes